Segunda-feira, 9 de Junho de 2008

A Espantosa Fera de Chaves (I)

   

   Os dois relatos anteriormente transcritos parecem percursores paradigmáticos da literatura fantástica cultivada por diversos autores consagrados, particularmente nos séculos XIX e XX.

   Apesar de não remeterem para monstros com aspecto antropomórfico, evocam, no entanto, vários relatos fantásticos que surgiram ainda na Idade Média, como aquele que se apresenta no Nobiliário do Conde D. Pedro (c. 1287-1354), sobre a origem do apelido Marinho, ou o relato de Damião de Góis (1502-1574), no texto Urbis Olisiponis Descriptio (1554), sobre os tritões de Sintra.

   Acontece, contudo, que muitos dos aspectos narrados nestes dois relatos são corroborados por correspondência da época, entretanto descoberta pelo autor deste blog no Arquivo Histórico Militar, em Lisboa.

   Essa correspondência, constituída por três cartas remetidas de Trás-os-Montes para Lisboa, entre os meses de Maio e Setembro de 1760, serviu provavelmente de base aos dois opúsculos publicados pela oficina de José Filipe, pelo que se justifica a sua transcrição integral.

 

 

   "Ilustríssimo e Excelentíssimo Senhor

   Constando-me que em varios póvos desta Provincia, e principalmente em muitos dos comprehendidos nos destritos da Praça de Chaves, e Vila de Monforte de Rio Livre, hum lobo ( que o vulgo com diferença denomina ) havia feito consideravel damno matando, e devorando perto de trinta, ou mais pessoas de ambos os sexos; e que principiando pelas de menor idade, já se lança aos hómens pondo-os em tal consternação, que sem serem juntos, e armados são poucos os que se atrevem a sair dos mesmos povos, privando-os o temor de solicitarem o que lhes É precizo, para sustento das vidas, e conservação das fazendas: dispus, que com as companhias das Ordenanças dos proprios destritos se repetissem as Montarias instruhindo-as no methodo mais adquado a se livrarem de hum mal tão manifesto; e ou pela desordem, e confuzão que em as taes ordenanças são quasi inivitaveis, ou porque a extenção dos terrenos; o alcantilado dos montes; e a densidade dos matos, não só necessitão de mayor numero de gente, que saiba apontar as armas; perceber o que se lhe explicar; e que não ignore a obrigação que tem de obedecer, não produzirão effeito as deligencias, em que até o presente se tem continuádo: e attendendo eu a se me reprezentar, que aos Moradores dos mencionados (...)"

 

 

© Capas & Companhia

 


publicado por blogdaruanove às 11:00
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 38 seguidores

.pesquisar

 

.Agosto 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Auto dos Villões

. The Implacable Order of T...

. Renúncia

. Blank Gaze

. E se tivesse a bondade de...

. Floradas na Serra

. Olisipo

. Le Surfer d'Argent

. Usina

. A Dança das Borboletas

.arquivos

. Agosto 2020

. Julho 2020

. Abril 2020

. Março 2020

. Fevereiro 2020

. Janeiro 2020

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

.tags

. todas as tags

SAPO Blogs

.subscrever feeds