Sexta-feira, 6 de Junho de 2008

Nova, e Verdadeira Relaçam (X)

 

   "Êste é o sucesso feliz, de que tive notícia certa e verídica por Pessoas fidedignas, que mo participaram, e algumas que no conflito se acharam, a qual aqui relato e faço pública parecendo-me será grata aos corações pios, e zelosos do bem do próximo, e cheios de caridade; e poderão dar a isto crédito, não julgando ser o Bicho cousa de fábula (como alguns incrédulos imaginam) depondo já o sentimento com que estavam de considerarem aqueles Provincianos açoitados de tão grande rigor da Divina Justiça; pois com o Divino favor venceram aquele monstro tão feroz com a indústria, e arte. A figura bem própria é a que vai neste papel estampado: tem de comprimento sete palmos, é bastantemente alto, de altura de um Cavalo, pernas e braços delgados, unhas grandes, e cabelo todo erriçado, por modo de porco montez, pela barriga é branco, pelo corpo é arraiado, a cabeça é por modo de Gato grande bravo com muita barba, os olhos mui grandes, e ovados, os peitos mui largos, o rabo mui comprido, e delgado, a pele mui grossa, era mui forçoso; ligeiro, bravo, e voraz principalmente de mininos, e a tudo o mais assaltava, quando topava, excepto em vendo multidão de gente que gritasse; alguns não sem grande temeridade quizeram com êle apostar valentias, e ficaram sendo despojos da sua crueldade. Dêmos enfim a Deus Senhor Nosso muitas graças de nos livrar de tão crueis monstros, como êste, cuja pele se entende será conduzida a esta Côrte, para ser vista dos curiosos, e se dar inteiro crédito, e formal a esta rara monstruosidade de que então não poderão pôr dúvida e ter incredulidade.

   Finis coronat opus."

 

© Capas & Companhia


publicado por blogdaruanove às 11:00
link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 5 de Junho de 2008

Nova, e Verdadeira Relaçam (IX)

 

   "Chegando a Chaves se apresentou ao Governador dela a presa, e o valerosíssimo e industriosos mancebo, que dele e de todos os mais levou geralmente o louvor, e a palma do trofeu tão esclarecido, como se tinha alcançado pela sua afoiteza, e ardil, cujo se não fora continuar-se-iam os estragos, e talvez tal Fera se não mataria, e viria entrando açoitada por outras terras a prosseguir mais terribilidades; mandou-se pesar, e pesou dez arrobas, tem estado muitos dias á vista de todo o Povo, seus moradores e circunvesinhos, que são precisas guardas de Soldados para suspenderem o motim, e rumor das gentes que concorrem de propósito a verem cousa tão espantosa, e formidável, e se até aqui tudo eram clamores e prantos naquelas terras, e seus subúrbios, agora tudo é festa, e alegria, por se verem já socegados os que viviam tão agoniados e medrosos com um inimigo tão furibundo nas suas terras; já estão isentos de perigo os habitadores daquelas Províncias, já os Pastores saiem afoitos a guardar o seu gado; os caminhantes fazem suas jornadas desenganados; tornam-se a habitar as casas, e choupanas nos campos, e já não há temor, nem medo por aquelas partes."

 

© Capas & Companhia


publicado por blogdaruanove às 11:00
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 4 de Junho de 2008

Nova, e Verdadeira Relaçam (VIII)

  

   "Concorreram todos os do combate ao sítio, onde jazia vencida, e mortal a dita Fera, a admirarem aquela monstruosidade, que para haver de ser conduzida a Chaves, ainda extirpada, foi preciso ir em uma carrêta com êste despôjo alcançado depois de tanto cansaço, e perigo, entraram enfim cheios de alegria, e triunfos pela dita Cidade, sendo infinito o concurso das terras pequenas, e lugares por onde passavam, para ver o Bicho morto, o que lhe parecia impossível o matar-se, e todos com grande alvoroço e contentamento davam aos Combatentes os parabens da vitória, e a Deus graças pelo bom sucesso da empresa, e pelos livrar de similhante açoite de sua Divina Justiça, que tinham experimentado naquelas terras."

 

© Capas & Companhia


publicado por blogdaruanove às 11:00
link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 3 de Junho de 2008

Nova, e Verdadeira Relaçam (VII)

 

   "Todos á uma louvaram a afoiteza daquele Combatente, e não deixaram de admirar o ardil, e bem ideado engano, que não esperavam deixasse de suceder favoravel, como na realidade sucedeu; porque caminhando o dito mancebo com o minino mui devagar, e os doze homens da escôlta sem serem do bruto bravo persentidos, tiveram tempo, êle de se subir a uma alta árvore, e êles de se embuscar ao redor dela a tiro, e pondo-se todos prontos com grande ânimo, e desembaraço para aquêle terrível combate, apenas o bruto entrando a caminhar por baixo dos arvoredos avistou a preza, quando corre furioso, ligeiro, e voraz para a querer tragar, julgando-a já nas suas garras, levanta o mancebo com a corda do chão o minino, ficando espantada a a gulosa Fera, e confusa, sem tirar os olhos da presa que perdido tinha; a êste tempo os intrépidos Combatentes, (ainda que abismados daquele portento de ferocidade, e terribilíssimo assombro daqueles montes), com destreza e felicidade disparam ao mesmo tempo doze tiros sôbre aquela monstruosidade, e lhe acertaram na cabeça, em que lhe abriram penetrantes feridas, cujas bocas lhes aclamaram a vitória; bramiu a Fera coma  dor intensa, e despedaçando tudo que encontrava diante de si, se foi despenhando por uma alata serra, para onde prosseguiram seus passos os triunfadores Combatentes, carregando novamente as suas armas, e acudindo os Cavaleiros ligeiros de embuscada escôlta, lhe segundaram outra e maior carga que de todo prostou aquela arrogante máquina e lhe fez exalar o último alento;" 

 

© Capas & Companhia


publicado por blogdaruanove às 11:00
link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 2 de Junho de 2008

Nova, e Verdadeira Relaçam (VI)

 

   "E parecendo a todos não haver modo fácil para se conseguir o feliz êxito desta conquista, êle a deu excelente e sem grande perigo pela forma que aqui verdadeiramente se expõe, o que sucedeu segundo a sua premeditada ideia, com muita felicidade, conquistando-se por este bem travado engano um monstro tão feroz, que a todos amedrentava e fortes esquadrões não podiam  á força de armas contrastar; (quem não adverte que nem sempre vale a força, e rebustez, e o poder de muitas armas, e ainda exércitos armados, se falta a arte, ciência e subtileza; ás vezes com um ardil, engano e astúcia se vence o que á força de armas se fazia incontrastável, como se fazia o terrível Bicho que enfim veio acabar por indústria e sagacidade dêste intrépido mancebo, cujo valor merece se cante por todo o Orbe. Disse ele aos mais Combatedores: Que pois a Fera se ocultava debaixo dos arvoredos, talvez viria pouco a pouco passeando por baixo das mais árvores, e que ele iria somente com doze homens bem armados, e o minino, àquele combate, ficando a mais Tropa embuscada, e que ao som dos tiros que ouvissem sairiam a perseguir a dita Fera; que ele determinava subir-se a uma árvore bem alta, e que lançando uma corda pela cintura, ataria o dito minino ficando os doza Combatentes embuscados ao pé, e que apenas o Bicho viesse a querer fazer preza no minino, içando-o ele acima, ficaria a fera como pasmada, e imóvel, e a êste tempo fazendo-lhe pontaria certa á cabeça os embuscados, disparassem todos juntos á carga cerrada, que desta sorte lhe tiravam infalivelmente a vida."

 

© Capas & Companhia


publicado por blogdaruanove às 11:00
link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 30 de Maio de 2008

Nova, e Verdadeira Relaçam (V)

 

   "Enfim mandando-se no dia quinze que já se contava de marcha alguns Cavalos ligeiros a descobrir o campo pela madrugada, vieram com a fausta notícia de que muito ao longe o viram estar deitado debaixo de uns grandes arvoredos á sombra. Entrou-se logo a pôr todo o Esquadrão em marcha, e principiaram a idear o como temiam ser do Bicho persentidos, e êle logo se ausentasse, estavam confusos no modo milhor e acertado com que o poderiam cercar e juntamente combater sem êle se poder escapar; nestas conferências e alterações estavam inerentes sem acertar no modo menos dificultoso desta Conquista, gastando o tempo sem mais deliberação, quando um afoito e espertíssimo mancebo que no dito esquadrão se achava para o combate, rompeu nestas palavras: Senhores, á força de cercos e multidão de armas, nada felizmente se pode conseguir, certamente andaremos muitos meses por estes matos para uma banda e para outra sem pormos fim a esta empresa como todos desejamos, antes ficará baldada, e depois de tanta canseira e trabalho; nós temos por experiênciao quão veloz é esta Fera, que nem as balas a podem alcançar, e como não espera ao combate, facilmente se erram os tiros, e desaparece sem a podermos descobrir; se a não conquistarmos por ardil, astúcia, ou engano em vão a pertendemos vencer."

 

© Capas & Companhia


publicado por blogdaruanove às 11:00
link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 29 de Maio de 2008

Nova, e Verdadeira Relaçam (IV)

 

    "Como as fatalidades (ainda que cessassem por algum tempo, que escondida vivia a dita fera) se renovavam: mais furiosos e lamentáveis, fazendo-se perlonga aquela infestação e dificultosa a conquista, que alguns julgavam não veriam finda, pela grande fúria e nunca vista ligeireza do tal monstro, cujo passo avançava a distância de dez passos ordinários, escondendo-se nos emaranhados e altos matos sem que o pudessem descobrir, e ali estava escondido muitos dias sem aparecer, atentaram por último irem grandes escoltas de gente armada a andar pelos matos muitos tempos até o encontrarem e combaterem fazendo-lhe valerosamente o cerco e não o largarem sem lhe tirarem aquela vida que a tantso miseráveis tinha sido causa de infaustas e cruelíssimas mortes; para isto se juntaram em esquadrões duzentos homens, em que ia uma companhia do Regimento de Cavalaria de Chaves, cujo socôrro tinham implorado bem montada e apetrechada, os mais Paisanos, Lavradores, e outros mancebos de rara afoiteza e conhecido valor, em cuja companhia foi um mancebo qu consigo levou um menino de seis até sete anos, e com a necessária condução de mantimentos e bastantes cargas marcharam todos bem montados, e guarnecidos de armas com bastante munição, para o sítio donde era costume sair a fera a fazer as suas costumadas e estragadas prezas; dois dias tinham caminhado por matos e serras, quando no terceiro pela manhã o avistaram ao longe, e prosseguindo para lá a sua marchaquerendo cercá-lo, êle desapareceu e não o puderam ver mais em onze dias, que por aquelas brenhas andaram já quasi exanimados de poderem conseguir a prometida empresa."

 

© Capas & Companhia


publicado por blogdaruanove às 11:00
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 28 de Maio de 2008

Nova, e Verdadeira Relaçam (III)

 

   "Estes vexames e apreensões sentiam aflitos aqueles Provincianos, e não podendo tolerar tão sensível dano nas suas visinhanças, cheios de ira e revestidos de um brioso furor, procuraram á força de armas rebater os bravos e arrogantes ímpetos daquela cruelíssima fera, castigando os seus insultos e crueldades com a tirana morte, que esperavam sem dúvida dar-lhe, vista a grande e bem guarnecida escolta de gente armada para esta famosa emprêsa convocada, a qual fazendo-lhe um forte cêrco com repetidas cargas de bala, e quartos, que lhe atirassem ficaria prostrada a soberba daquele monstro, e elas cingiriam triunfantes o louros na frente, cantando felizmente a vitória; mas não só uma vez senão muitas se frustrou esta custosa diligência e de nada valeu êste estrondoso aparato sem se poder alcansar a prêsa; porque o furioso Bicho persentindo multidão, ou Tropa armada, e não querendo disputar a vitória, antes bruto indómito, desesperada e atrevidamente se arrojava a romper pelo cêrco, sem que nada o embaraçasse, e como todos se desviavam atirando-lhe de longe, nunca era infestado do rigor das balas, e assim com extraordinaria ligeireza desaparecida aos olhos de seus contrários combatentes, deixando-os desgostosos e burlados, os quais com êstes sentimentos se recolhiam ás suas casas, sem conseguirem a triunfante glória a que aspiravam intrépidos e zelosos, não tanto da própria honra como do bem daqueles aflitos Povos, desejando inda a seu risco deixá-los seguros, livres os passageiros, menos ociosos os rústicos, e pastoreados os gados."

 

© Capas & Companhia


publicado por blogdaruanove às 11:00
link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 27 de Maio de 2008

Nova, e Verdadeira Relaçam (II)

 

   "Bem notórios eram já a esta Côrte, e Povo Lisbonense os formidáveis e horrorosos estragos que nas circunvisinhanças da Vila de Chaves multiplicava aquele aparecido, e espantoso monstro, e terrivel Bicho, lamentando os seus moradores, que muitas vezes em os campos encontravam os fragmentos dos despojos da sua ferocidade; numerosas foram as vítimas desta, principalmente meninos, e mulheres; de cem presas, dizem, há-de passar a  destruição cuja se fez tão deploravel que trespassando-se os corações ternos dos Pais, Parentes, e Amigos de viva dor, banhados em lágrimas não faziam mais que clamar à vista dos compassivos e funestos espectáculos a toda a hora vistos por aquelas terras, pelo temor e espanto quasi solitárias e inabitáveis: Nos povos não se ouvia mais que clamor, e alarido; nos caminhos só se percebia medo e se reconhecia discómodo: nos Pastores ociosidade, e espanto, nos gados fome, e em fim os Lavradores depunham o inútil e já ferrugento arado, viam-se os Campos estéreis e tudo eram perdas, desgraças e perturbações."

 

© Capas & Companhia


publicado por blogdaruanove às 11:00
link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 26 de Maio de 2008

Nova, e Verdadeira Relaçam (I)

 

"NOVA, E VERDADEIRA RELAÇAM DA MORTE DO FEROZ BICHO, QUE HA MUITOS TEMPOS INFESTA AS VISINHANÇAS DE CHAVES.

 

ASTUCIAS, ARDILLOZO MODO, E ENGANO, QUE hum resoluto, e valeroso habitador daquellas terras uzou para o conquistar, levando consigo hum minino, e sómente doze homens de escolta bem armados.

 

POR NOTICIA CERTA, QUE HUM AMIGO MANDOU da dita Provincia a outro desta Corte, juntamente com a propiada, e bem figurada Copia da Féra, a qual aqui vai estampada, e se dá a publico, relatando se tudo fielmente, confórme das ditas partes se tem participado, por Pessoas fidedignas, e achadas no conflicto."

 

© Capas & Companhia


publicado por blogdaruanove às 11:00
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 36 seguidores

.pesquisar

 

.Fevereiro 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Nova, e Verdadeira Relaça...

. Nova, e Verdadeira Relaça...

. Nova, e Verdadeira Relaça...

. Nova, e Verdadeira Relaça...

. Nova, e Verdadeira Relaça...

. Nova, e Verdadeira Relaça...

. Nova, e Verdadeira Relaça...

. Nova, e Verdadeira Relaça...

. Nova, e Verdadeira Relaça...

. Nova, e Verdadeira Relaça...

.arquivos

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

.tags

. todas as tags

.Visitas

SAPO Blogs

.subscrever feeds