Segunda-feira, 23 de Junho de 2008

Cinderela (I)

 

 

   Embora as versões mais divulgadas deste conto popular sejam as de Charles Perrault (1628-1703)  e dos irmãos Grimm (Jakob [1785-1863] e Wilhelm [1786-1859]), a inúmera diversidade de narrativas, que se avolumaram sincreticamente,  permite-nos fazer recuar a datação das suas origens até à Antiguidade Clássica (os especialistas consideram que uma das versões mais antigas pode ser encontrada na Geografia, de Estrabão [c. 64 A. C. - c. 24 D. C.]), permitindo-nos também verificar que essas variantes ocorrem quer nas culturas ocidentais quer nas orientais.

   No caso particular da versão portuguesa, a denominação arcaica Gata Borralheira estará eventualmente ligada à variante italiana intitulada La Gatta Cenerentola, registada por Giambattista Basile (1575?-1632) e publicada postumamente em 1634.

   Todas estas versões se encontram registadas nas mais diversas áreas, como o cinema, a dança, a literatura e a ópera.

   Nos registos operáticos, as versões mais conhecidas serão as de Gioacchino Rossini (1792-1868), La Cenerentola (1817, com libretto de Jacopo Ferretti [1784-1852]), e de Jules Massenet (1842-1912), Cendrillon (1899, com libretto de Henri Cain [1859-1937]).

   Tendo estreado em Roma, em 1817, La Cenerentola foi apresentada em Lisboa, no Real Teatro de S. Carlos, logo em 1819. Em Londres apenas se apresentaria no ano seguinte, em Viena em 1822 e em Nova Iorque em 1826. O Real Teatro de S. Carlos havia sido inaugurado a 30 de Junho de 1793 (consultar http://www.saocarlos.pt/default.aspx), para suprir o desaparecimento da Ópera do Tejo, criada em 1755 e destruída nesse mesmo ano durante o terramoto de 1 de Novembro.

   Para a estreia portuguesa, foi promovida a edição de um libretto bilingue, em Português e Italiano. Trata-se de uma obra rara mesmo nas bibliotecas melómanas – um pequeno in 16mo medindo cerca de 15x10 cm, com 112 páginas. O exemplar em nossa posse ostenta ainda a capa original, em papel decorado a azul, preto e dourado.

   Parcialmente reproduzido há alguns meses no Blog da Rua Nove (http://blogdaruanove.blogs.sapo.pt/30965.html), este interessante libretto (preste-se particular atenção às variantes que surgem no libretto apresentado em http://opera.stanford.edu/Rossini/Cenerentola/libretto.html) será agora reproduzido integralmente em fac-simile.

 

© Capas & Companhia


publicado por blogdaruanove às 11:00
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Fevereiro 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28


.posts recentes

. Belo Zebu

. Jacto

. Jornal do Cuto

. O Tico

. O Grilo

. Pânico no Júri

. O Negro Assassino

. Selecções

. Mundo de Aventuras

. 5 x Infinito

.arquivos

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

.tags

. todas as tags

.Visitas

blogs SAPO

.subscrever feeds